Sete tendências de startups de tecnologia para acompanhar em 2017

dezembro 15, 2016

320 Visualizações

Tags

 

De acordo com profissionais entrevistados para este artigo, a inteligência artificial e a aprendizagem de máquina vão ajudar a impulsionar a economia de tecnologia em 2017.

Quando CIO.com postou uma consulta no Help a Reporter, um site criado para ajudar os jornalistas a se conectar com as fontes, perguntando sobre as tendências para ficar de olho em 2017, a esmagadora maioria dos inquiridos apontou para inteligência artificial. Este próximo ano e além, a IA vai ajudar as empresas a “perturbar setores que não foram totalmente disruptivos”, diz Anthony Glomski, diretor da AG de ativos advisory, uma empresa de consultoria financeira. “A IA está em seus estágios iniciais com enorme impacto potencial.”

Aqui estão as oito tendências apontadas como as mais quentes para o próximo ano.

1. Inteligência artificial e aprendizagem de máquina

Em 2016, as grandes empresas investiram recursos em tecnologias mais inteligentes e melhores em prever coisas utilizando inteligência artificial, de acordo com Ludo Ulrich, da Salesforce. Simultaneamente, a tecnologia avançou o suficiente para permitir que empresas menores participassem da revolução da inteligência artificial, diz ele, e as universidades começaram a oferecer aulas destinadas a educar os alunos sobre as possibilidades da IA. Estes desenvolvimentos estão “criando um pool de talentos”, o que ajudará a promover a inovação em um ritmo muito mais rápido em 2017, de acordo com Ulrich.

“Agora que a verdadeira importância e impacto da IA foram descobertos e o uso da tecnologia começa a tornar-se mais acessível do que nunca, 2017 será o ano em que o conhecimento que costumava ser possuído por um seleto grupo vai permear todo o cenário tecnológico. Startups mais jovens vão inovar verdadeiramente nessa área”, diz Ulrich.

No passado, apenas algumas empresas tinham cientistas de dados e pessoal capazes de usufruir dos recursos de aprendizagem de máquinas, de acordo com Ulrich. Hoje, ambos são “basicamente esperados”, diz ele.

Em seu simpósio anual, o Gartner posicionou a inteligência artificial e o machine learning entre suas principais dez tendências estratégicas de tecnologia para 2017. “Inteligência artificial aplicada e a aprendizagem de máquina avançada vão dar origem a um espectro de implementações inteligentes, incluindo dispositivos físicos (robôs, veículos autônomos, eletrônica de consumo), bem como aplicativos e serviços (assistentes pessoais virtuais e consultores inteligentes)”, de acordo com David Cearley, vice-presidente e fellow do Gartner. “Essas implementações serão entregues como uma nova classe de aplicativos e coisas obviamente inteligentes, além de fornecer inteligência incorporada para uma ampla gama de dispositivos mesh e soluções de software e serviços existentes”.

O banco americano Wells Fargo é uma das muitas empresas que estão testando a tecnologia de inteligência artificial, de acordo com Braden More, head de estratégia de pagamentos do banco. “Estamos explorando como a tecnologia da IA ​​pode permitir que os clientes realizem uma transação bancária enquanto estão nas mídias sociais”, diz ele. “Nós também estamos explorando assistentes virtuais que podem proativamente apoiar clientes através de alertas, lembretes e sugestões contextuais.” E a IA também pode ser usada para detectar fraudes bancárias, diz Braden.

Também é esperado que a inteligência artificial desempenhe um papel crescente na cibersegurança em 2017. Uma das razões é que não existem pessoas com habilidades de segurança cibernética suficientes para preencher os empregos disponíveis. Estima-se que 1 milhão de empregos de cibersegurança estão por ser preenchidos em todo o mundo, de acordo com a Cisco. Ao mesmo tempo, é esperado que o número de vagas de cibersegurança aumente para 6 milhões em todo o mundo em 2019, segundo a Symantec.

“A realidade é que o conhecimento de segurança cibernética precisa ser automatizado de alguma forma”, diz John Shearer, CEO e cofundador da DarkLight, um provedor de análise de segurança cibernética e automação. “As startups emergirão e reconhecerão essa enorme necessidade do mercado de misturar conhecimentos humanos com IA.”

O big data ─ e o volume de dados que o mundo acumula atualmente ─ é outra força motriz por trás da ascensão da inteligência artificial. Todos os dias, o mundo gera 2,5 quintilhões de bytes de dados, com 90% dos dados no mundo criado nos últimos dois anos, de acordo com estimativas da IBM.

As empresas precisam da IA para aprender com as tendências e padrões de seus clientes, ampliar a eficiência da automação e ajudar os funcionários a serem mais inteligentes em seu trabalho, diz Steve Goodman, sócio da firma de VC Toba Capital.

2. Chatbots 

Chatbots são serviços que interagem com o usuário e oferecem informações, em especial para os consumidores, através de uma interface de chat automatizado. E a IA é uma das tecnologias que estão ajudando a tornar os chatbots mainstream. “Graças à inteligência artificial, os chatbots viraram o centro das atenções em 2016, e esperamos que essa tendência estimule ainda mais a inovação em 2017”, diz Ashu Garg, sócio geral da Foundation Capital, empresa de capital de risco do Silicon Valley.

As empresas vão cada vez mais olhar para chatbots para ajudar a reduzir os gastos com atendimento ao cliente nas áreas de seguros e comércio, “campo que estão maduros para a disrupção”, diz Garg. “Chatbots serão quentes simplesmente porque há muito a ganhar”, afirma.

Em 2020, mais de 85% das interações com o cliente não irão incluir um ser humano, e chatbots serão a aplicação de consumo número 1 da inteligência artificial, durante os próximos cinco anos, de acordo com pesquisa do Gartner e da TechEmergence, divulgada pela Business Insider.

Em 2017, esperamos “uma agitação nas plataformas de mensagens para a integração a chatbots”, diz Garg. “Enquanto o Facebook ainda é a plataforma de mensagens dominante, o WhatsApp, o Kik, o WeChat e outras plataformas de mensagens globalmente relevantes irão ser os combustíveis da inovação em chatbot. Como a tecnologia ganha tração e as aplicações de Inteligência Artificial continuam a avançar, vamos começar a ver chatbots cada vez mais integrados com os sistemas backend das empresas, mudando a forma como as pessoas se comunicam com elas”.

3. Startups de segurança cibernética

Cybersecurity esteve frequentemente no noticiário em 2016, graças, em parte, à disputa da Apple com o FBI em torno da quebra da criptografia do iPhone e muitos ataques de ransomware contra empresas. Muitos especialistas esperam um crescimento contínuo na área de segurança cibernética em 2017.

Para cada novo vetor de ataque ou a vulnerabilidade exposta em 2016, “uma empresa de segurança cibernética surgiu para preencher o espaço”, diz Nate Locke, sócio da empresa de gestão de investimentos Kayne Anderson Capital Advisors. “As empresas que buscam reforçar suas defesas de segurança investiram em software e outros aparelhos. Esperamos que as empresas comecem a investir menos em soluções de endpoint e mais em serviços gerenciados que ajudem a dar sentido à sua infraestrutura existente”.

A segurança é complexa e difícil de gerenciar, de acordo com Locke, “e enquanto as empresas têm investido pesadamente em produtos de segurança, muitas ainda não estão usufruindo o suficiente dessas tecnologias. A partir de 2017 veremos o papel dos prestadores de serviços de segurança gerenciados como cada vez mais importante para ajudar as organizações a reduzir o risco de violação de segurança “.

4. Transformação digital e nuvem

A partir de 2017, as empresas passarão por uma transformação digital “em grande escala”, segundo a empresa de pesquisa IDC, habilitada pela “Terceira Plataforma” composta pela nuvem, mobilidade, tecnologias sociais e big data/analytics.

“Estamos em um ponto de inflexão, como os esforços de transformação digital mudando do status de projeto para um imperativo estratégico de negócios”, afirma Frank Gens, vice-presidente e analista-chefe da IDC, em um comunicado de imprensa de novembro. “Cada empreendimento (em crescimento), independentemente da idade ou da indústria, deve tornar-se” nativo digital “na forma como seus executivos e funcionários pensam, o que produzem e como operam. Essa mudança está acontecendo muito mais rápido do que as vantagens competitivas mais esperadas e antecipadas e sairão na frente aquelas empresas que puderem acompanhar o ritmo da emergente economia DX (transformação digital) “.

A IDC acredita que a nuvem será um facilitador primordial da transformação digital e prevê que até 2020, 67% da infraestrutura de TI e os gastos com software da empresa estarão relacionados a tecnologias baseadas na nuvem. Durante esta transição, quase todas as empresas serão um provedor de serviços em nuvem para o seu próprio mercado, tornando as capacidades de nuvem uma preocupação de TI, bem como um problema de operações de negócios.

5. Realidades virtual e aumentada

No rescaldo do fenômeno Pokémon Go, a realidade aumentada (RA) ingressou de vez no radar de muitas pessoas. O grande irmão da RA, a realidade virtual (RV), também oferece potencial emocionante para as empresas a partir de 2017.

Durante o próximo ano, 30% das empresas Global 2000 orientadas para o consumidor devem experimentar RA e RV em suas iniciativas de marketing, prevê a IDC. “As interfaces são a porta de entrada essencial para o engajamento do cliente e estão evoluindo muito mais rápido do que muitos previram”, diz a empresa de pesquisa. “A IDC espera que as realidades virtual e aumentada atinjam níveis de adoção em massa até 2021, quando mais de um bilhão de pessoas no mundo acessarão regularmente aplicativos, conteúdo e dados através de uma plataforma RA/RV”.

Mas a realidade virtual não será simplesmente uma tecnologia de entretenimento. “Em 2017, RV vai ser adotada por muito mais startups para o desenvolvimento de soluções de colaboração”, prevê Zach Holmquist, CEO e cofundador da Teem, um serviço baseado em nuvem para gerenciar áreas de trabalho. “A RV será usada para acomodar a evolução da definição de “empregado” para incluir tanto os funcionários dentro e fora do escritório contribuindo remotamente. A economia GIG, baseada no trabalho autônomo, continuará a crescer, forçando as empresas a usarem todos os recursos disponíveis para acomodar esta categoria emergente de empregado e a tecnologia de VR vai ajudá-las a atingir esse objetivo. ”

6. Vestuário inovador

O enorme sucesso do Spectacles, óculos de sol que grava vídeos de até 10 segundos do Snapchat, está “dando uma nova vida” para a categoria wearables, de acordo com Gregory Kennedy, cofundador e presidente da Minds Uncharted. “Parece que a abordagem divertida, peculiar e barata da Snap tem a combinação vencedora de recursos e preços que todos os outros jogadores perderam na primeira onda de wearables”.

7. Coisas inteligentes

“As coisas inteligentes” estão na intersecção entre a inteligência artificial e a Internet das Coisas e estão entre as dez principais tendências estratégicas do Gartner para 2017. A Internet da Coisas inteligente vai “além da execução de modelos rígidos de programação”, explorando inteligência artificial e machine learning para oferecer comportamentos avançados e interagir mais naturalmente com os arredores e com as pessoas”, diz o Gartner. “Como as coisas inteligentes, como drones, veículos autônomos e aparelhos inteligentes, permeiam o ambiente, o Gartner antecipa uma mudança de coisas inteligentes autônomas para um modelo de coisas inteligentes colaborativas”.

 

Fonte: http://bit.ly/2gOgLxU

DEIXE O SEU COMENTÁRIO